Boa noite, Seja bem vindo - Sábado, 21 de Outubro de 2017 - Aracaju - SE
 

Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

 
O Jornal
  QUEM SOMOS
  DESTAQUES
  POLÍCIA
  ESPORTE
  POLÍTICA
  CIDADES
  GALERIA DE FOTOS
  ANUNCIE CONOSCO
  FALE CONOSCO
 
Enquete
Padre Inaldo vai fazer uma boa adminitração em Socorro?
 
De jeito nenhum
 
Claro que sim
 
Não sei
 
 
Sábado, 21 de Outubro de 2017

home / saúde
Município deve oferecer tratamento a usuários químicos

22/02/2013 08:42:36
Tamanho da letra


Determinação foi imposta pelo MPE
Créditos: Arquivo Portal Infonet

O Poder Judiciário Sergipano, atendendo aos pedidos liminares de antecipação de tutela contidos na Ação Civil Pública ajuizada pela Promotora de Justiça Substituta na 8ª Promotoria dos Direitos do Cidadão, Dra. Maria Rita Machado Figueiredo, determinou que o Município de Aracaju, por meio da Secretaria Municipal de Saúde, custeie e forneça às crianças e adolescentes usuários de drogas tratamento especializado de desintoxicação e recuperação.

De acordo com ACP, os Conselhos Tutelares do Município de Aracaju, Ministério Público, Defensoria Pública e o Judiciário local, têm recebido com intensa e crescente demanda denúncias de crianças e adolescentes usuárias de substâncias psicoativas. E que estes encontram-se vulneráveis em virtude da falta de política pública específica e eficiente para tratamento.

Segundo o MP, tal situação se configura como um descaso da administração pública com a integral saúde dos envolvidos com substâncias ilícitas. Alega, também, inexistir unidade de tratamento de crianças e adolescentes do sexo feminino usuária de drogas, sendo oferecido apenas, de forma precária, o tratamento hospitalar para adolescentes do sexo masculino. O Ministério Público ressalta que, apesar de Aracaju possuir Plano Municipal de Enfrentamento ao Crack, não atende as necessidades dos menores, inexistindo proposta orçamentária destinada ao enfrentamento de problemas dos usuários de drogas no sentido de erradicar ou minimizar os efeitos.

A Juíza de Direito Substituta, Dra. Karyna Torres Gouveia Marroquim, determinou, também, a criação e implantação, no prazo máximo de 120 dias, de um CAPS AD III para atendimento exclusivo de crianças e adolescentes. E, enquanto este ainda não for implantado, o tratamento especializado de desintoxicação e recuperação, ambulatorial ou terapêutico, deve ser realizado em clínica ou comunidade terapêutica particular, devidamente legalizada, até a criação e implantação efetiva da sua própria política de atendimento de proteção especial e integral a crianças e adolescentes.

Além disso, a Magistrada ainda destacou que, o Município deve adotar na Lei de Diretrizes Orçamentárias de 2014 (LDO) e na Lei Orçamentária Anual de 2014 (LOA), recurso financeiro específico e suficiente na Secretaria Municipal de Saúde e outras com atuação transversal, para a criação, implantação e manutenção da unidade de tratamento.

Dra. Karyna Torres enfatizou que, de acordo com o Estatuto da Criança e do Adolescente - ECA, a criança ou o adolescente em regime de internação hospitalar para o tratamento de dependência química, estando em situação de risco pessoal e social, por causa do abandono familiar, o Estado deve proporcionar esse tratamento.

Fonte: MP/SE

       
14/03 - . Lagarto participa de evento no Tribunal de Contas
01/03 - Salão de beleza deve ser interditado se tiver formol
01/03 - Criança alvejada em tiroteio continua internada no Huse
01/03 - Gratuidade da vacina contra o HPV anima categoria médica
22/02 - Município deve oferecer tratamento a usuários químicos
21/02 - Servidores do Hospital de Socorro com salários atrasados
15/02 - Hemose contabiliza 816 doações durante campanha de Carnaval
14/02 - Vigilância Sanitária apreende meia tonelada de gelo
07/02 - Sergipe realizou 166 transplantes no ano passado

 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
l
l
l
l
                     
 
l
l
l
l
l
l
l
l
l  
 
© COPYRIGHT 2010 - GRANDEARACAJU.COM.BR - Todos os direitos reservados.
Contato: (79) 9975 - 8137